sexta-feira, 25 de julho de 2008

Irmão de Renildo e Renan Calheiros está na lista dos candidatos "ficha suja"

Estadão - 24 de Julho de 2008

MACEIÓ-O nome do vereador Robson Calheiros(PRB), irmão do senador Renan Calheiros (PMDB), ex-presidente do Senado, aparece na lista dos candidatos `ficha suja', divulgada esta semana no site da Associação Alagoana de Magistrados (Almagis). Robson responde a crime de racismo e preconceito de cor, mas nega as acusações. Ele teria ofendido a vereadora por Maceió, Fátima Santiago, que tem origem africana.

Na lista, com os sete nomes dos candidatos 'ficha suja' a uma das 21 cadeiras da Câmara Municipal de Maceió, consta também o nome de Adeilson Bezerra, que foi preso e indiciado pela Polícia Federal, na Operação Carranca, acusado de desvio de recursos públicos e envolvimento no esquema de fraudes a obras públicas, comandado pelo empresário Zuleido Veras, dono da Construtora Gautama.

Entre os 31 nomes de candidatos a vereador e a prefeitos de vários municípios alagoanos, consta o do ex-prefeito de Traipu, Marcos Santos, que está preso desde o início do ano, respondendo a processo por desvio de recursos públicos. Mesmo assim, ele tenta a retornar à prefeitura do município. Traipu fica às margens do Rio São Francisco e é um dos municípios mais pobres de Alagoas, cujo IDH é semelhante ao do Haiti, na América Central.


http://www.jusbrasil.com.br/noticias/76398/irmao-de-renan-esta-na-lista-dos-candidatos-ficha-suja-

O CLÃ DOS CALHEIROS

Alagoas, tem a maior dívida pública proporcional do país em torno de R$ 6 bilhões, um grupo de empresários têm um débito superior a R$ 1,7 bilhão junto ao INSS. A lista dos débitos é encabeçada pela Companhia de Água e Saneamento de Alagoas (Casal), com um débito de R$ 210 milhões, segundo relação oficial divulgada pelo Ministério da Previdência Social. O segundo maior devedor é, também, um órgão público, a Carph, criada pelo ex-governador Ronaldo Lessa para responder pela administração do pessoal e do patrimônio das empresas estatais extintas.

As usinas de açúcar e álcool respondem por mais da metade do débito total com o INSS, um débito perto de R$ 1 bilhão. O restante é de pequenas e médias empresas, incluindo colégios, hospitais, clínicas, cooperativas, empresas de ônibus e outras atividades. Total de exatos R$ 1.717.524.169,54.

Além do estado de insolvência, Alagoas tem peculiaridades, como manter um cargo comissionado fantasma por 25 anos na Assembléia Legislativa. A comissionada se chama Francisca Perla Gomes e é mulher do secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Luiz Otávio Gomes. A denúncia foi publicada na imprensa e a reação foi espantosa. As elites alagoanas saíram em defesa da socialite e publicaram h nota paga no jornal de maior circulação do Estado condenando a imprensa pela denúncia e defendendo a manutenção da sinecura.

Pois é nesta Alagoas que reina o Clã dos Calheiros.

Os filhos e netos do agricultor e sapateiro Mané Dentinho dominam a cidade de Murici, a 50 quilômetros de Maceió, fundada em 1872, na região da Mata Alagoana, que em 2004 tinha cerca de 22.000 almas e uma dívida de R$ 6,5 mi junto ao INSS.
O muriciense Renan de hoje, lembra muito pouco o rapazola que trabalhava na feira de Murici ao domingos e o universitário que vendia alpercatas em Maceió para custear o quartinho da pensão e a alimentação.

Na política desde os anos 80, construiu um império, junto com os irmãos Remi, ex-prefeito de Murici por dois mandatos, Olavo, deputado federal por Alagoas e ex-secretário de Estado, Renildo, deputado federal por Pernambuco, e Robson, primeiro suplente no exercício do mandato de vereador em Maceió. O filho mais velho de Renan, conhecido como Renanzinho, sucede o tio Remi na prefeitura de Murici.

O presidente do Senado Federal e do Congresso Nacional é o filho mais ilustre de Murici, considerado como um imperador em sua cidade natal. Desde que se aliou ao antigo inimigo Fernando Collor, largou as franjas do poder apenas uma vez, quando foi traído por Collor, que não apoiou sua candidatura ao governo de Alagoas em 1990. De Itamar a Lula nunca deixou de apoiar o governo, sendo ministro da Justiça de FHC.

Em 1998, demonstrando ascensão social, comprou um apartamento no edifício Tartana, considerado na época o imóvel mais caro de Maceió, localizado na região mais valorizada da cidade, a Ponta Verde, de frente para o mar, avaliado, hoje, em mais de R$ 1 mi. Logo depois, comprou uma casa de praia, encravada em um terreno de mais 1.000 metros quadrados, em Barra de São Miguel a 35 quilômetros de Maceió. Avaliada em mais de R $ 800 mil.

Em Murici, Renan possui uma fazenda com açude de mais de um hectare, o que lhe permite manter um jardim irrigado e a grama do campo de futebol iluminado como um tapete verde.

Seu irmão Olavo não fica atrás, suas 10 fazendas ligam a BR 101 a AL Norte 01. É um mundo de terra sem fim, dizem os muricienses. Olavinho, como é conhecido em Alagoas, tinha, também, uma fábrica de refrigerantes até o ano passado, implantada com R$ 5,9 mi emprestados do BNDES/BNB em terreno doado pela prefeitura de Murici, cujo prefeito era seu irmão Remi. Vendida, ano passado a Cervejaria Schincariol por R$ 25 mi, em uma transação sem muita transparência.

Renan é o chefe do clã e seu filho Renanzinho está sendo preparado para ser seu sucessor, por isso no berço político dos Calheiros, Renanzinho já dá as cartas. O caçula dos Calheiros conta com a ajuda do pai e dos tios Olavo e Renildo para administrar a cidade, que utilizam emendas parlamentares inseridas no OGU para tal fim, ficando tudo em família.

De 2004 até hoje, os três já descolaram R$ 3,2 milhões de emendas, dos quais R$ 1,3 milhão já foi pago.

Uma fortuna, perto do que recebem outras cidades do mesmo porte de Alagoas da União. Estes recursos é que proporcionam 12 anos de poder em Murici.

Os Calheiros seguem o exemplo dos Sarney, no Maranhão, e dos Magalhães, na Bahia, e colocam sua marca em tudo o que fazem em Murici, apesar da proibição constitucional. Assim, o ginásio de esportes recebeu o nome de Olavo Calheiros, o que contempla Mané Dentinho, o patriarca já falecido dos Calheiros, e o filho deputado federal. A sala de audiências do fórum da cidade homenageia o ministro Renan Calheiros.

Mas todo este planejamento estratégico, que começa em Murici com o intuito de dominar as Alagoas, pode ir para o brejo, graças aos laços de amizade de Renan, Olavo e Renildo com as empreiteiras (Odebrecht, Queirós Galvão, OAS e Gautama) que operam no estado e a um deslize de Renan, que pulou a cerca e teve uma filha fora do casamento com Verônica. As amizades e o descuido amoroso aproximaram a navalha da jugular de Renan.


http://www.jusbrasil.com.br/noticias/76398/irmao-de-renan-esta-na-lista-dos-candidatos-ficha-suja-

2 comentários:

Kamila disse...

mal de familia!

Scicilla Mirtovich disse...

ideal é se você encontrar alguém Calheiros vem a calhar vc fugir!
:-)

Obrigada pela sua visita!
Abraços