domingo, 10 de fevereiro de 2008

Despedida: Morre o maestro Mario Câncio


O maestro Mario Câncio Justo dos Santos faleceu na última sexta-feira, às 19h, no Hospital Santa Joana, vitimado por infecção generalizada. Ele era o diretor do Centro de Educação Musical de Olinda (Cemo), instituição que fundou em 1982 no famoso Casarão Rosa abrigado no Complexo Rodoviário de Salgadinho (Santa Teresa, Olinda). O velório e o enterro foram realizados neste sábado, às 17h, no cemitério Parque das Flores, no Curado.

"O maestro", como era popularmente conhecido, nasceu no Recife em 1927, mas sua família se mudou para Olinda quando ele tinha apenas 3 meses de idade. De família humilde, cursou o ensino fundamental na Escola Paroquial Carlos Gonçalves da Igreja Católica São Judas Tadeu, onde teve o primeiro contato com o mundo da música. Ainda adolescente, ingressou na Orquestra Sinfônica do Recife, levado por seu criador, o maestro Vicente Fittipaldi.

Sua vida mudou por completo em 1954, quando ganhou um concurso do Ministério da Educação e Cultura que oferecia uma bolsa da Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (Capes) para estudar música no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris. Passou cinco anos na Europa, onde fez cursos de extensão em cidades como Siena (Itália) e Salzburg (Áustria) e tornou-se regente da Orchestre de Chambre International. De volta ao Brasil, participou da fundação, em 1960, do Curso de Música da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

http://www.pernambuco.com/diario/2008/02/10/urbana12_0.asp

O REGENTE PATRIMÔNIO DE OLINDA

por Ana Paula Gomeze - 15/04/2005

O histórico e popularmente conhecido Casarão Rosa localizado no complexo de Salgadinho, onde funciona o Centro de Educação Musical de Olinda, abriga o coração de um homem que teve origem humilde, viajou por vários países do mundo seguindo o caminho da música, para então retornar e tornar mais acessível a todos, a arte de ouvir, combinar e dar vida aos sons.

Mario Câncio Justo dos Santos, carinhosamente e reconhecidamente chamado por todos de Maestro, é fundador do CEMO e vem, há 23 anos, acrescentando à cidade Patrimônio conhecimento profundo em música, técnica, experiência, bondade e humildade.

Nasceu em Recife, mas passou a morar em Olinda com três meses de vida. Desde criança teve uma vida estudantil muito intensa. Foi ensinado pelos pais a encarar os estudos com muita dedicação e responsabilidade. “Não tive muito tempo para brincar”, lembra com uma certa gratidão, pois atribui isso ao fato de ter conseguido superar as dificuldades financeiras e hoje poder estar em uma posição que o possibilita ajudar outras pessoas.

A música entrou na vida de Mario Câncio como uma melodia que começa suave e progressivamente vai se intensificando. No período em que cursava o fundamental I (1ª a 4ª série), na escola Paroquial Carlos Gonçalves da Igreja Católica São Judas Tadeu, iniciou os primeiros contatos com o mundo musical. Como um menino travesso e curioso brincava, escondido do padre, com as teclas e os sons emitidos pelo piano da igreja.

Paralelo aos estudos, Mario fez escotismo e foi nomeado pelo governador Agamenon Magalhães, chefe de Escotismo de Olinda da tropa Escoteira Duarte Coelho. Ainda na mesma ocasião, ingressou na Orquestra Sinfônica do Recife, levado pelo seu criador e maestro principal, Vicente Fittipaldi. Pouco tempo depois sua dedicação e talento foram logo reconhecidos e ele foi nomeado professor auxiliar. Esse foi seu primeiro emprego, com 15 anos de idade. Tocava fagote, clarinete e sax.

Apesar de todo seu envolvimento com a música, o pequeno musicista demorou a ter um instrumento por conta da vida humilde que levava até então. Só veio ter o gosto de possuir seu primeiro instrumento musical aos 25 anos, um fagote que guarda até hoje, presenteado pelo governador Etelvino Lins.

Ele não sabia, mas dois anos mais tarde, em 1954, sua vida ia começar a mudar por completo. Na ocasião, Mario participou de um concurso do Ministério da Educação e Cultura (MEC) que daria ao vencedor uma bolsa da Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (CAPES), para estudar música no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris. O concurso foi presidido pelo compositor brasileiro Heitor Vila-lobos, que percorreu vários estados do País em busca de talentos.

Mario foi selecionado, abraçou a oportunidade e partiu para França. Lá passou cinco anos sempre se empenhando com as lições da infância de aproveitar ao máximo o tempo e as oportunidades. Além dos estudos no Conservatório de Paris, Fez vários cursos de extensão e aperfeiçoamento, em Siena na Itália, Salzburg, na Áustria dentre outras. Totalizando, a paixão pela música e a vontade de aprender sempre mais, levou o musicólogo por nove países da Europa e três da América.

Estudou também por dois anos no Conservatório Internacional de Música e Arte dramática de Versailles. Foi lá que recebeu dois dos principais prêmios de sua vida estudantil. O Premier Prix ( primeiro prêmio) e o Prix D’honneur (prêmio de honra). Os prêmios são concedidos pelo Conservatório aos concluintes que se inscrevem e passam pela análise de uma banca examinadora.

Em Paris, tornou-se regente da Orcheste de Chambre International (Orquestra Internacional de Câmara) e através de movimentos de política estudantil foi eleito delegado cultural e integrante da comissão do Centre Culturel Internacional de la cité universitaire/Sorbonne. Todas essas vivências deram a Mario um legado de conhecimentos musicais que foram lhe conferindo reconhecimento nacional e internacional. Para voltar ao Brasil, o maestro recusou várias propostas de trabalho e permanência no exterior.

DE VOLTA A TERRA NATAL

Assim que chegou ao Recife, foi convidado para trabalhar na Orquestra Sinfônica do Rio de Janeiro, mas recusou por conta do compromisso assumido com o prefeito José do Rego Maciel, continuar trabalhando na Orquestra de Recife.

Foi convidado também pelo reitor João Alfredo Gonçalves da Costa Lima, da Universidade do Recife (atual UFPE), para fundar o curso de música na instituição. Aceitou o desafio, venceu preconceitos e, juntamente com Jaime Diniz, Arlindo Rocha, Edson Magalhães, Elyanna Caldas, José Carrión e Luiz Realp fundaram o curso em 1960.

Paralelamente, em Brasília, o presidente Jucelino Kubitschek promulgava a lei que instituía a Ordem dos Músicos do Brasil, que foi presidida pelo maestro José Siqueira, que por sua vez, convidou o recén chegado maestro Mario Câncio para fundar, em Pernambuco, o Conselho Regional da Ordem dos Músicos do Brasil.

No currículo do maestro tem ainda o convite do governador do Rio Grande do Norte, em 1976, fundar uma orqestra em Natal, que uma vez estruturada tornou-ser Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte, a qual dirigiu por 12 anos.

NA MARIM DOS CAETÉS

Foi em 1982 que o maestro veio usar seu talento na cidade Patrimônio da Humanidade, convidado pelo prefeito Germano Coelho para fundar o Centro de Educação Musical de Olinda (CEMO). Assim, ele finalmente pôde trazer para a cidade o sonho de tornar a música mais acessível a todos e ajudar muitos a encontrar nesta arte uma porta para um futuro melhor.

Desde então, o maestro vem regendo com movimentos que representam a pulsação e os ritmos de seu coração, muito mais que uma orquestra, mas o sonho de trazer vida e esperança através da música.

http://www.olinda.pe.gov.br/portal/listar_pagina_link.php?idPagina=41&idSecao=23

CENTRO DE EDUCAÇÃO MUSICAL DE OLINDA - CEMO

Fundado em 1982, o Centro de Educação Musical de Olinda, criado por lei Municipal nº 4330/82, mantêm-se em parte, com recursos próprios e pela Prefeitura Municipal de Olinda, através da secretaria de Educação e Deporto.

Entidade Educacional destinada a formação musical erudita de nível médio. O CEMO oferece vários cursos para todos os níveis, do inicial a cursos de aperfeiçoamento. Tem cursos específicos: de Musicalização Infantil para crianças a partir de 6 anos, de Formação Musical para adolescentes e adultos e, os de Curta Duração dirigidos às pessoas da 3ª idade.

End.: Av. Pan Nordestina, s/n – Olinda PE – F.: 3426.5763

http://www.olinda.pe.gov.br/portal/secretarias_municipais_educacao_desportos.php

7 comentários:

joana disse...

que Deus ponha ele em um bom lugar pois Deus sabe como o meu tio era maravilhoso. e uma pessoa com uma extrema capacidade de união e afeto amo muito ele especial bjus tio joana

victor disse...

O maestro, meu tio foi uma grande pessoa,que me incentivou e me apoiou nos difíceis momentos,sempre levantou minha moral e nunca desistiu de mim.
Agradeço tudo a ele.

salete disse...

Maestro Mario Câncio, Deus te abençoe pela vida dedicada aos mais necessitados, pela presença de paz que debruçada aos mais aflitos, para minha família, ele foi a luz que orientou o nosso caminho.
Nós o amamos!
Salete Vasconcelos

Ewerton Jesus disse...

Tive o privilégio e a oportunidade de ser seu aluno no Cemo. Mesmo não tendo eu seguido a carreira de músico, seus ensinamentos foram muito úteis para a formação do meu caráter. Sou só gratidão.
Obrigado Mario Câncio. Descanse em paz...
Ewerton de Jesus.

Luciano Vivo disse...

Um exemplo de vida, um exemplo de pessoa, deixou uma história linda na qual alguns menbros da família não teve o respeito e se preocupam apenas com o dinheiro deixado pelo mesmo, não houve e não há o respeito pela a história criada e deixada a todos.
Destruiram todo o acervo de livros, discos ( LD e CD ), certifacados, diplomas, premios, fotos, deixaram tudo jogado em um quintal e depois pegaram todo o material e tocaram fogo.
Crime barbaro cometido por tais menbros da familia que se preocupam apenas com o dinheiro, venderam todos os instumentos e não fizeram nenhuma doação para aqueles que precisavam, pois isso era uma dos maiores quesitos que ele pregava, ajudar ao proximo.
Se preocuparam em ficara com a herança e com a aposentadoria dele.
O tumulo dele ficou jogado e ninguem cuida.
Mas o dinheiro falou mais alto.

Luciano Vivo disse...

Quem merecia ser ajudado, acabou sendo esquecido.
Não sou da família, sou apenas um vizinho no qual brincava com os seus sobrinhos, mas participei ativamente daquela casa durante seus longos 20 anos e sei de tudo o que aconteceu e acontece.

Luciano Vivo disse...

Espero que Deus guarde o Maestro Mario Cancio em um lugar bastante especial e que ele não esteja vendo o que os seus familiares estão fazendo e se esta vendo que ele saiba perdoa junto a deus.