quinta-feira, 11 de junho de 2009

Orla de Olinda será recuperada

Obras // Ministério do Turismo vai investir cerca de R$ 20 milhões

A orla de Olinda ganhará um novo visual. Quase R$ 20 milhões serão investidos na revitalização e urbanização


das praias de Bairro Novo, Casa Caiada e Rio Doce. A verba, garantida pelo Ministério do Turismo, será liberada em partes, conforme o andamento das obras. O anúncio foi feito ontem pelo ministro do Turismo, Luiz Barreto, durante a apresentação do projeto arquitetônico na Prefeitura de Olinda. Além de recuperar a faixa de terra à beira-mar, tentando conter o avanço do mar, as intervenções preveem ainda o resgate da área, tornando o espaço mais atrativo para moradores e turistas. Os trabalhos devem ser iniciados ainda em outubro deste ano, com previsão de conclusão no fim de 2010.

Haverá duas grandes intervenções. Uma delas será a construção de uma via de mão única, com 6,25 quilômetros de extensão, que vai ligar Olinda à Ponte do Janga, limite com a cidade de Paulista. Também será erguido o Binário Getúlio Vargas, que vai transformar a Avenida Beira Mar de Olinda em via exclusiva de acesso para quem vem do Recife em direção à Ponte do Janga. A Avenida Getúlio Vargas passará a ser mão única no sentido contrário

"Vamos devolver a cidade de frente para o mar. O investimento que será feito aqui não vai valorizar apenas o município, mas o turismo brasileiro internacional. Afinal, estamos nos preparando para receber a Copa do Mundo em 2014. Será um dinheiro bem empregado", disse o ministro Luiz Barreto, que se comprometeu a voltar em outubro para o lançamento do início das obras. Num primeiro momento, será trabalhado uma área de 3,75 quilômetros já urbanizada, abrangendo o Bairro Novo e parte de Casa Caiada. O trecho entre as ruas Farias Neves Sobrinho e Tertuliano Feitosa, no Bairro Novo, será o primeiro beneficiado.

Avanço do mar - A revitalização da orla de Olinda era uma reivindicação antiga dos 396 mil habitantes da cidade. O município tem apenas 40 quilômetros quadrados de orla e parte da área foi perdida com o avanço do mar. "Por esse motivo vamos fazer a recomposição dos espigões (espécie de dique) de Bairro Novo", adiantou. São construções da década de 60 que, segundo a prefeitura, apresentam fortes avarias, comprometendo sua função, que é conter o avanço do mar. Serão reparados 33 espigões.

Outro ponto de proteção para contenção do avanço do mar a ser reconstruído são os quebra-mares, localizados em Casa Caiada. No relatório preliminar do estudo encomendado pelo governo do estado à pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o Monitoramento Ambiental Integrado (MAI), divulgado no fim de 2008, foi sugerida a recuperação de dois quebra-mares. "Faremos ainda uma dragagem de um banco de areia, localizado em frente ao antigo Flat Quatro Rodas, em Casa Caiada para melhorar a balneabilidade", comentou a secretária de Gestão Estratégica de Olinda, Sônia Calheiros. Essa obra terá 1.369 metro de extensão.

Diario de Pernambuco

Beira-mar terá ciclovia, banheiros e quiosques

Urbanização // Projeto prevê calçadas mais largas, pista de cooper e parque infantil
€A recuperação da orla em Olinda prevê a urbanização de toda a faixa litorânea até a divisa com a cidade de Paulista. A beira-mar terá as calçadas alargadas para comportar uma pista de cooper, parque infantil e equipamentos de ginástica, além de quiosques com 11 banheiros, batizados de Tatuí. Os quiosques contarão ainda com chuveirão, venda de água de coco e refrigerante e estarão espalhados ao longo de 2,2 km de praia. Os banheiros serão administrados pelos comerciantes que explorarem os quiosques. Também será reservada uma faixa para instalação de uma ciclovia, que hoje funciona como ciclofaixa até um trecho da Rua Joana D'Arc, em Casa Caiada. É uma área que já era urbanizada, mas precisava de melhorias.

"Vamos instalar uma divisória com blocos de 80 centímetros de largura para separar a pista de veículos dos ciclistas, fazendo a readequação da via e das travessias de pedestres", adiantou a secretária de Gestão Estratégica, Sônia Calheiros. As obras começarão em Bairro Novo, onde serão instalados redutoresde velocidade, uma espécie de lombada mais larga. "Técnicos de trânsito estão avaliando a possibilidade da colocação de lombadas eletrônicas", disse Sônia.

Para facilitar a acessibilidade do pedestre à noite, a Avenida Beira Mar também terá iluminação diferenciada e estacionamento duplicado. Hoje há 197 vagas. Com a ampliação, o número disponível subirá para 394. Além dessas modificações, uma equipe de paisagismo da prefeitura planejou o ajardinamento de algumas áreas, além do plantio de novas árvores.

O projeto prevê, ainda, a recuperação e complementação das redes de drenagem, esgotamento sanitário e abastecimento de água. "A drenagem na área de Bairro Novo corre direto para praia. Com a revitalização, o sistema será revertido para trás do Rio Fragoso", esclareceu a secretária. A prefeitura espera reduzir o impacto dessa vazão no solo e a erosão na beira-mar.

Quem mora no trecho final de Rio Doce, vai aguardar as obras com ansiedade. "Espero que a prefeitura faça realmente alguma coisa para mudar a aparência dessa praia, que vive abandonada. Tem dia que só há cavalos e cachorros tomando banho de mar", reclamou a dona de casa Jandira Maria de Oliveira, que há 20 anos reside no bairro. Um aposentado de 57 anos, morador da Rua Nunes Queiroz, que preferiu não se identificar, também se queixou da falta de investimentos na área e denunciou que a praia, no trecho dessa rua, está tomada por assaltantes e traficantes de drogas. "Eles se reúnem sempre em frente à imagem de Nossa Senhora, entre Rio Doce e a Ponte do Janga. Ninguém pode caminhar na praia que é assaltado.

Jornal do Commercio

URBANISMO
Olinda promete recuperar orla


Publicado em 11.06.2009

Cidade terá R$ 19,9 milhões do Ministério do Turismo para, entre outras coisas, construir via litorânea. Obra começa em outubro e deve durar 14 meses

Aguardada desde 2003 por moradores da beira-mar de Olinda, a obra de construção de uma via litorânea ligando o bairro de Casa Caiada à Ponte do Janga, em Rio Doce, está com recursos assegurados e ficará pronta no fim do próximo ano. A nova pista tem 2,5 quilômetros de extensão, da Rua Joana D’Arc até a ponte. Faz parte de um projeto maior de recuperação da orla da cidade, orçado em R$ 19,9 milhões, que também beneficia a Praia de Bairro Novo.

A obra, prevista para começar em outubro próximo com prazo de conclusão no fim de 2010, terá recursos do Ministério do Turismo. “É um dinheiro bem investido,” afirma o ministro Luiz Barreto, que esteve ontem pela manhã na Prefeitura de Olinda, para assinar o convênio de liberação da verba. Segundo ele, a transferência se dará por etapas. “Nosso compromisso é financiar toda a obra”, assegura Luiz Barreto.

A secretária de Planejamento de Olinda, Sônia Calheiros, informa que o projeto começa pela orla de Bairro Novo, que já sofreu intervenção na gestão passada, com recursos do Ministério do Turismo. A prefeitura anuncia ações de recuperação de 33 espigões construídos nos anos 60, para contenção do avanço do mar, no trecho da Rua Faria Neves Sobrinho até a Rua Tertuliano Feitosa. “O impacto da água desgasta a cabeça dos espigões e agora vamos restaurá-los”, diz ela.

O prefeito de Olinda, Renildo Calheiros, garante que a atual ciclofaixa implantada nos 2,1 quilômetros da orla de Bairro Novo será transformada numa ciclovia. “Em vez de pintura no asfalto, como hoje, vamos colocar uma barreira física (blocos de 80 centímetros de largura) para separar a faixa exclusiva para bicicleta da pista de carros”, avisa. O local também contará com redutores de velocidade, para diminuir acidentes de trânsito.

Em Casa Caiada, trecho mais residencial da orla e local mais procurado por banhistas, o projeto prevê pista de cooper, ciclovia, equipamentos de lazer e ginástica, além de banheiros num trecho de 1,65 quilômetro, da Rua Tertuliano Feitosa à Rua Joana D’Arc. Os sanitários, explica Sônia Calheiros, serão acoplados a um quiosque de lanches. “Quem vencer a licitação para explorar o quiosque, fará a manutenção do banheiro. Deve ser cobrada uma taxa ao usuário.”

A última etapa corresponde ao trecho de 2,5 quilômetros, de Casa Caiada à Ponte do Janga. Além da via litorânea, outras 12 ruas perpendiculares (do Flat Quatro Rodas à ponte) serão contempladas com drenagem e pavimentação. O serviço inclui banheiros, iluminação, ciclovia, pista de cooper, contenção do avanço do mar e complementação da rede de esgoto, para evitar lançamentos nas praias. Para abrir a via, possivelmente, haverá desapropriações.

“Depois da obra pronta, poderemos assumir o gerenciamento das praias. A Gerência Regional do Patrimônio da União transfere parte da gestão para municípios e vamos nos candidatar”, diz Sônia. Morador da beira-mar de Rio Doce, o comerciante Daniel Juvino de Souza aprova a iniciativa e acrescenta que a população espera pela obra há tempos. “O mar está avançando e derrubando tudo, a rua enche de lama quando chove, já coloquei meu apartamento à venda”, diz.



.

Acesse: www.olindaurgente.com.br
no Portal O Nordeste.com: www.onordeste.com

.

Um comentário:

Daniel disse...

Excelentíssimos Srs.
que noticia maravilhosa para Olinda!!!

como devo proceder para me candidatar a uma vaga para ocupar um quiosque na orla em rio doce?

daniellluna@hotmail.com